terça-feira, 23 de agosto de 2011

ANTES DO APERTO DE MÃO

(Por Ivan Silva)

Na véspera
A noite falou comigo:
Ei, não vai escrever algo?

Senti a despedida...
Tive uma certeza inevitável.
Meu grande probleminha veio à tona:

Não seria melhor falar?

Mas minha fraqueza e covardia se tornaram soberanos
E o máximo que pude fazer, fiz:

" Meu irmão, a lua hoje está pequena,
apesar de cheia e luminosa.
Mas não se preocupe...
De manhãzinha ela toma jeito."


Dobrei o papel, e coloquei na mala feita.

Aquele aperto de mão pela manhã, ocultou severamente o que eu sentia...
Não me arrependo de ter agido assim dessa maneira.
Mas se eu pudesse abraçá-lo de repente,
abraçaria como abraço o agora.

2 comentários:

Alexandre Mendes disse...

Escrever bilhetes, ao invés de falar...isso já me aconteceu.
As vezes, me saio melhor em um papel do que falando.

Caucuz disse...

Grande Ivan! Excelente texto!