terça-feira, 24 de abril de 2018

Outros trabalhos

"Silêncios"
Arte de Ana Negrão





E acompanhando a pintura, um vivissimo poema de Nutyelly Cena que caminha pelo cotidiano ai afora:







12 de dezembro de 2012
   
"? "


 Hoje eu saí e pensei que o dia fosse  ficar diferente. E ficou. Pronto, respirei aliviada.
 Ás vezes costumo olhar para as pessoas e pensar sobre suas vidas, tenho essa curiosidade de ficar  pensando no que foi capaz de as fazerem chorar, rir do que as fazem felizes e por aí e me teletransporto para o mundo dos outros.Aquele dia o corredor do hospital estava vazio. Havia duas enfermeiras, uma senhora rezando, uma sentada e uma mulher cansada no balcão. Fiquei olhando para a  porta da sala de emergência pra ver que atrás daquela porta se escondia muitas vidas.

 Meu olhar passou por um quarto com a porta aberta, vi uma mulher pálida, de cabeça raspada que olhava para a janela chorando nesse momento meu mundo se transportou para o dela pensei nela na infância no que ela gostava de brincar. Se ela chegava em casa depois de brincar na rua com os amigos. Ela na escola, preocupada em passar de ano. E agora ela estava ali, frágil. O que ela pensava ao olhar pela janela? Senti uma vontade enorme de entrar ali e abraçá-la, mas então a senhora do balção me chamou e voltei

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Grito

Grito pra cima dos muros, coraçoes frios e mentes cinzas


Ivan Silva8

sábado, 31 de março de 2018

Sinaleiro

Esse é mais um dos meus borrões feito com nanquim.




quarta-feira, 28 de março de 2018

Aos conformismos

Dar espaço ao ponto
Dar espaço ao pronto
Essa idéia não tem vez
Não está tudo bem

Nada acabou
Ainda que digam:
"é o fim dos tempos
não há nada a ser feito."

Ainda que soltem:
"resolvida a crise econômica
a vida voltará ao normal."

Ao normal?! A vida voltará ao normal?!
Que a crise econômica continue
e o fim dos tempos também!

Omar Chuá , 24 de fevereiro de 2017

sexta-feira, 9 de março de 2018

A porta vê do outro lado



Ontem de relance vi num telejornal que a fiscalizaçao baixou nos terminais e recolheu a mercadoria dos ambulantes. Perguntado um vendedor de alguma daquelas bancas amarelas fixas, regularizadas, disse que acha certo a fiscalizaçao apreender mercadoria desse pessoal, porque muitos vendem coisa vencida, estragada. Em seguida a camera mostrou uma sacolada com verduras, cachos de banana.e a reporter disse que " os ambulantes so vao pegar a mercadoria de volta quando pagarem multa". Esse noticiario me vem somado a memória da minha infância. "Ó o rapa, ó o rapa". É uma guerra de décadas contra a população que tenta duramente manter uma fonte de sobrevivência.  Sequer havia alimento estragado ali.


(Ivan Silva)

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

domingo, 14 de janeiro de 2018

Novidades entrando 2018 por aí

Via https://poesiapopediversa.blogspot.com.br/

David Beat - Agridoce (LP)


   Agridoce é o mais novo registro do ilustrador David Beat. Depois de dá um alô com seu Ep de estréia de nome “Experimental Pop”, o novo registro continua mantendo a mesma estética por assim dizer de músicas curtas ou quase inacabadas, apenas três faixas ultrapassam a marca de um minuto: John, Insensibilidade e Doçuras.
 O álbum é dividido entre o amargo e doce. Canções de existencialismo, sentimentos de amor, solidão, abandono e pensamentos de suicídio, vide faixa “Gatilho”: “…Eu só queria ter uma arma e apertar o gatilho duas vezes…”. E um toque sentimental nas faixas Insensibilidade e Doçuras: “…O encontro é forte / e a saudade vai ficar / quando você for embora, mas espero se você voltar”, trecho da música Doçuras.
  
  Segundo o Beat: “Fiz uma mixagem que funciona melhor com fones de ouvido, é a melhor forma de ouvir esses sons. Se você tentar ouvir isso através do alto falante do seu som, provavelmente muitas baixas frequências vão se perder no caminho, para uma melhor experiência use fones.”
  
  Confira o novo registro no davidbeat.bandcamp.com
Existe um Bônus (encarte com as letras) se você baixar o álbum. E para baixar basta clicar em “Buy now” e colocar “00000” na caixa de price.

          É isso, é D.I.Y